2007-05-13

Monstros em companhia

Normalmente, os monstros que me acompanham na minha vida, não vivem debaixo da cama. Moram por cima, noutro andar.

Ultimamente tenho sido perseguido por uma autêntica família. O monstrai, parece ser o menos agressivo. O que menos incómodo causa.

A monstrãe, tem uma passada vigorosa. Tão vigorosa que estremece o meu tecto. Ela estende roupa, limpa a casa (imagino), sacode os tapetes para os quintais e janelas dos vizinhos e sei lá que mais. Começa o dia cedo. Hoje começou antes das nove. Durante a semana é por volta das sete. De vez em quando, a meio da noite, vai à casa-de-banho. As coisas que eu acabo por ficar a saber sem sair de casa...

O monstrilho é um poço de energia. Não sei o que ele toma, mas talvez devesse perguntar-lhes. Mas isso significaria enfrentar os meus monstros... Ele corre, pula, arrasta, salta, grita...

Já fui perseguido por um monstrurdo. Felizmente, só ocasionalmente dou por eles a passarem de carro. Nalgumas noites menos afortunadas, tenho a oportunidade de perceber que vivo perto de um ou dois monstrurdos. Mas, mesmo que me cruze com eles, felizmente, não sei quem são. São uma espécie bastante disseminada por todo o território nacional.

Agora vou pegar no meu martelo eléctrico. Apesar da hora, posso transformar-me num monstrobreiro. Quem disse a vocês que eu não posso ser o monstro de algum dos meus vizinhos?

9 comentários:

Catarina em Lx disse...

Hum... Num sei... Com tanta conversa, desconfio que sejas bastante inofensivo...

SOD, o Pérfido disse...

Dizes tu, que nunca ouviste o meu martelo a trabalhar...

Mas tens alguma razão. Acabei por deixar a martelada para outro fim de semana. Uma monstreguiça atacou-me...

Aquela que mora num impasse... disse...

Atenta: Se foi às 21 horas e 24 minutos (Colocado por SOD, o Pérfido à s 21:24) que decidiste vingar-te, monstrengo, é normal que tenhas desistido... Fraco, débil... transtornado e devorado... até aos ouvidos!... Pela impiedosa monstrafamilia, seria de esperar (até por ti), que não tivesses tu o vigor que a monstruosidade acima de ti tem. :) E também já eram horas mas é para o ó-ó começar. Se conseguisses... pobre animal... (mas descansa, porque eu defendo os como tu) E tu, pois... tu... monstrinho assustado, não deves ser capaz de aguentar marteladas a essas horas... ooohhh... »;-D

SOD, o Pérfido disse...

Aquela que mora num impasse parece bastante confiante sobre as capacidades e fraquezas deste monstrérfido. E sobre as capacidades desta monstramília... Será que no teu habitat impassível convives com os mesmos tipos de monstros?
Quase que parece que também defendes estas mosntruosidades...

"a menina do clube de video..." :D disse...

Não, não defendo... Estou é à defesa... Sim, tenho esse tipo de monstruosidades no meu habitat, sem dúvida... e pela descrição feita por V. Exa. mostrinho, ... isso é NADA! Havia você de passar aqui uns dias e noites para ver o que é HIP-HOP E KISOMBA em decibeis com únidades que cegam!... Mesmo com a parede dos monstros colada à parede da casa dos meus progenitores... Todos sofremos aqui. E não... não conheço as suas capacidades... nem fraquezas, Sr. monstréfido... :»»»D ...ai...escapou-me o dedo para as teclas shift e » ... Na verdade, EU nem o conheço! :»»»»D ...outra vez... que chatice... Eu apenas lancei palpites! Bitates tá a ver?! Ou será bitaites...? Olhe... isso é que não sei mesmo. Desejo-lhe sorte... Sr. mostrarreira. :)

SOD, o Pérfido disse...

Cara menina do clube de vídeo que morava num impasse. Compreendo que sinta que os monstros que a perseguem sejam maiores que os dos outros. Decerto compreenderá que os monstros dos outros não me incomodam...

Correndo o risco de fazer algo que não costumo fazer e que é explicar o que escrevo, escrevo que não escrevo para os monstros mais monstruosos. Esses são criminosos e devem ser tratados como tais. Mas há muitos monstros que nem sequer sabem que o são. E para esses ainda há esperança...

A frustrada... disse...

Os monstros dos outros não o incomodam? Parece contradizer-se, caro pérfido... Os monstros dos seus outros possíveis monstros, são também os seus monstros... Ou só tem um andar por cima? E não tem mais por baixo? Tenha esperança, sim. Foi isso, aliás, que a que mora num impasse lhe disse para ter... esperança. Eu tenho esperança que os da frente saiam tão rápido como os outros todos que têm aqui passado... vêm e vão muito rápido. Não pára muita gente naquele frente por muito tempo. Eu acho que todos temos a noção que fazemos mal, quando fazemos... todos somos monstros... uns mais que os outros... a diferença é que alguns não se importam de o ser. Diga lá se não concorda? (Vai responder-me: "Não concordo", é?... Seria demasiado vulgar) Obrigado pelo esclarecimento... porque não correu o risco de explicar o que escreveu... Saltou directamente essa barreira do risco, e... Explicou mesmo. :) É assim que eu gosto.

SOD, o Pérfido disse...

Cara frustrada, ao explicar para quem escrevi, não explico necessariamente o que escrevi...

Obviamente que não concordo com tudo. Basta ler o meu texto inicial para se compreender com qual parte eu concordo. Concordo com aquela parte em que concorda comigo...

Os monstros dos outros não são necessariamente os meus. Partilharei alguns, mas poucos.

O rápido ou lento é relativo. Quanto mais monstruosos os monstros forem, mais tempo parecerão demorar a partir...

Friorenta Escaldada disse...

Como eu não sou do "contra", como alguns, até concordo com o pérfido quando diz que "O rápido ou lento é relativo. Quanto mais monstruosos os monstros forem, mais tempo parecerão demorar a partir..." . Eles não partiram ainda... mas vão partindo a casa... e a minha cabeça.